top of page

De Agora para Sempre: Uma Dissecção Sobre o Tempo na Fotografia



A fotografia, em sua essência, é uma ponte entre o mundo tangível e o reino das memórias, uma ferramenta para emoldurar o que vemos no tempo e espaço. Este ato de captura é mais do que técnica ou ofício; é um diálogo contínuo com a permanência e a transitoriedade, entre a presença e a ausência. No coração dessa conversa está a questão da autenticidade e da temporalidade, dois pilares que sustentam as estruturas da fotografia como arte e como documento.



Quando Roland Barthes contemplou a natureza da fotografia, ele destacou a sua força constativa, isto é, sua capacidade de afirmar que "isso-foi". Uma fotografia é uma evidência, uma prova irrefutável da existência de um instante que, uma vez passado, torna-se inacessível exceto através daquela imagem. É aqui que a fotografia desafia a nossa percepção da realidade e do tempo. A imagem capturada é autêntica na sua afirmação da existência, mas o que ela representa é algo que já não é mais. Ela se torna um artefato, um eco visual que ressoa através do tempo.



A autenticidade numa fotografia é, portanto, duplamente facetada. Por um lado, temos a genuinidade do registro: a garantia de que a luz que tocou o sensor ou o filme foi refletida por entidades reais em um momento específico. Por outro, existe a interpretação da imagem, a autenticidade da experiência e da expressão. A arte fotográfica emerge dessa tensão, nascendo da capacidade do fotógrafo de transmitir sensações, emoções e perspectivas através de um meio que é, fundamentalmente, um registro fidedigno da realidade.



A temporalidade também se enreda intimamente com a fotografia. Uma imagem pode ser vista como um instante arrancado do fluxo contínuo e apresentado para nossa contemplação. Mas, ao mesmo tempo, cada fotografia é uma porta para o passado, um convite para mergulhar em um momento que já não existe. Essa natureza ambígua da fotografia como um documento temporal nos convida a refletir sobre a impermanência e sobre a nossa relação com o passado.



Essas reflexões sobre autenticidade e temporalidade na fotografia têm implicações profundas para a compreensão da fotografia como uma forma de arte. A arte fotográfica muito reside na habilidade técnica, mas também está na capacidade de registrar e transmitir o significado intrínseco de um instante. Cada imagem conta histórias sobre quem somos, o que valorizamos e como nos relacionamos com o mundo ao nosso redor.



Em um mundo onde a fotografia é tão ubíqua quanto o ar que respiramos, a busca pela autenticidade e significado torna-se ainda mais relevante. Fotografias não são meras representações visuais; elas são manifestações de nossa busca por conexão, compreensão e expressão. Portanto, ao refletirmos sobre a fotografia, somos chamados a considerar além do que vemos, incluindo o que sentimos e pensamos. A fotografia, tanto como arte quanto como documento, é um testemunho da nossa existência, uma ferramenta que, em suas mãos, tem o poder de revelar verdades, questionar percepções e encapsular a beleza transitória e única da existência.




Escrito por Angela Rosana, saiba mais sobre mim aqui.


Os créditos aos fotógrafos constam nas imagens, com links para os respectivos perfis no Instagram. Conheça mais o trabalho de cada um!


Se você gostou desse artigo, deixe sua avaliação ao final da página!


Leia outros artigos aqui

Visite nosso Instagram


Publicação no Instagram dezembro 2023

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page